• maira rita

    ADOREI MUITO MOTIVADOR CONTINUE NOS AJUDANDO SEMPRE ESSE RECADO VEIO NA HORA CERTA. OBRIGADA

    • Fernando Rui

      Oi Maira,

      Muito obrigado pelas palavras. Pode deixar que sigo firme aqui com cada vez mais conteúdos.

      Grande Abraço,

  • Andre

    Fernando,

    Faz algum tempo que conversamos a respeito, e lendo este artigo, me veio à cabeça toda aquela discussão extremamente agradável e proveitosa acerca deste assunto. Recentemente tive o prazer de ler seu livro (O Poder das Metas) e iniciei uma planilha com meus objetivos.

    Tenho orgulho de dizer que estou no caminho certo, e ciente de que eles serão alcançados.

    Parabéns pelo artigo, pela clareza e riqueza de detalhes em expor o assunto. Abraço

    • Fernando Rui

      Oi Andre,

      Fico feliz por você ter achado o caminho. Tenho certeza que irão ser alcançados com maestria.

      Obrigado pelas palavras.

      Grande Abraço,

  • Dário Vitoriano

    Grande Fernando! Texto com conteúdo esplêndido! Teve um momento do texto que exatamente confirmou o que eu estava pensando momentos antes de ver o site: o de deixar de lado (até por um período algo que não fará falta) para ir ao encontro do sonho!

    • Fernando Rui

      Oi Dário,

      Obrigado pelas palavras.

      O desapego é realmente uma arma muito poderosa.

      Grande Abraço,

  • Chitão

    ” O caráter temporal da identidade fica restrito a um momento originário, quando nos “tornamos” algo; por exemplo, “sou professor” ( = “tornei-me professor”) e desde que essa identificação existe me é dada uma identidade de “professor” como uma posição … Eu como ser social sou um ser-posto discriminando-me como dotado de certos atributos que me dão uma identidade considerada formalmente como atemporal. A re-posição da identidade deixa de ser vista como uma sucessão temporal, passando a ser vista como simples manifestação de um ser idêntico a si-mesmo na sua permanência e estabilidade…” (Antônio da Costa Ciampa)

    Ou seja, basicamente o que tu falou. A partir do momento que SOMOS alguma coisa (professor, pai de família responsável, analista de sistemas, aspone, etc) difícil se reinventar. Já nos convencemos que somos algo, e que não podemos ser outra coisa.

    E quando nos damos conta, aí realmente pode ficar difícil. Já com filhos, casas, contas, etc. Fica difícil, ligar o foda-se e querer começar tudo de novo. Só com muito planejamento MESMO para sair do SOU para o SEREI.

    Abraço Rui.

    • Fernando Rui

      Opa, verdade Chitão!

      Planejamento é a chave para a mudança. Não podemos mudar do dia para a noite, mas com foco e um bom planejamento conseguimos a pequenos passos fazer a mudança que tanto queremos.

      Obrigado pelo comentário!

      Grande Abraço,

  • Pingback: ()

  • Pingback: ()

  • Rodrigo

    Ótimo artigo!

    Pense que usamos muito dessas “muletas” para não gerar um valor real em nossas vidas, para ficarmos confortais na situação que estamos atualmente.

    Escrevi um artigo focado justamente nesse ponto, como conseguir sair da zona de conforto e como ela é muito mais parecida com uma cela de uma prisão, do que com um lugar confortável..

    Na verdade, tenho certeza que gostaríamos de pensar assim, que estamos seguros e “estáveis”, mas com o tempo percebemos que estamos vivendo em uma ilha, sem nenhuma opção..

    Aqui está o artigo que falei..

    >>>> http://goo.gl/yxKSW8

    • Oi Rodrigo,

      Obrigado pelo comentário.

      Vou dar uma olhada no seu artigo..

      Abração,

  • Pingback: ()

  • Pingback: ()

  • Pingback: ()

  • Pingback: ()

  • Pingback: ()

  • Pingback: ()

  • Pingback: ()

  • Pingback: ()

  • Pingback: ()