Mente Produtiva: 2 Maneiras Inteligentes de Domar o Seu Crítico Interno

Opa, Fernando Rui aqui trazendo um novo olhar para o portal. Esse artigo foi escrito pelo Leonardo Puchetti Polak, editor do blog LP Produtividade, especialmente para os leitores do Crescimento Contínuo.

A luz do escritório piscava quando Jorge Camels retirou seu telefone do bolso, e começou a fazer uma ligação. Já haviam passado semanas desde que sentira pela primeira vez a vontade de procurar ajuda, contudo, em decorrer do seu trabalho, ou talvez da falta de coragem, ele continuava a postergar a ligação.

Há alguns meses atrás, Jorge teve a ideia de mudar completamente de vida. Largar o trabalho, e talvez começar a trabalhar por conta própria. Para ele, o trabalho talvez não fosse o mais importante. O que ele realmente buscava era ousar, criar algo novo e viver o extraordinário. Sair do básico, sabe?

Jorge estava cansado da mediocridade. Ele estava louco por viver intensamente, colocar seus valores em primeiro lugar e mudar o mundo fazendo algo admirável!

Mas como qualquer ser humano, Jorge tinha suas dúvidas. Foi então que naquele dia, ele resolveu ligar para um amigo de infância, e pedir por conselhos.

Após os cumprimentos iniciais, Jorge foi direto ao ponto e começou a falar dos seus maiores desejos e aspirações. Ao final, ele esperava algumas palavras de encorajamento, mas não foi isso que encontrou.

“Por acaso você é estúpido? Você é um lixo, que nem mesmo consegue fazer um trabalho decente com um chefe em cima de você. Quem é você para querer algo diferente? Você é feio, burro, gordo e não faz ideia do que é se jogar no mundo. Você é uma criança mimada, um irresponsável e mal-agradecido. Se você fizer isso que está falando, você vai se dar mal! Vai quebrar a cara, e todos a sua volta vão sentir vergonha de você. Porque é isso que você é, uma vergonha!

A Voz Interior

Cruel, não é mesmo? Quando você pode esperar que a pessoa que te conhece a vida toda vá falar algo assim de você?

Pois é, mas o que acontece se eu te falar que não houve ligação, não havia amigo, e que Jorge apenas estava perdido em seus pensamentos. Em outras palavras, não era outra pessoa que estava falando tamanhas crueldades, e sim sua voz interior.

Agora, não parece tão cruel, não é mesmo? Isso porque é incrível como cada um de nós consegue “falar” coisas para nós mesmos que nunca teríamos a coragem de falar para outras pessoas. Conseguimos nos convencer de que somos inferiores, ou de que não conseguiríamos recriar a nossa própria história.

Deixamos oportunidades passarem, e fazemos isso por puro medo do que os outros vão falar se algo der errado. Permanecemos a todo momento perguntando “E se isso acontecer?”.

E se ninguém ficar do meu lado? E se eu não tiver dinheiro para pagar as contas? E se não souber o que fazer? E se 10 mil coisas acontecerem ao longo do caminho?

Seu crítico interno é feroz. Afinal de contas, ele é o seu maior crítico. Para cada resposta que você der, ele é capaz de criar mais um milhão de perguntas e empecilhos para de colocar para baixo.

Embora ele possa ser útil as vezes, qualquer um consegue perceber que o seu método de te criticar não funciona sempre.

Dessa forma, precisamos de estratégias para domar esse crítico interno. Precisamos treinar nosso cérebro, de forma que ele responda de maneiras mais úteis, com menos pensamentos negativos, e mais Produtividade.

Use a sua Mente

Não existe dúvida de que as suas críticas internas te seguram, e impedem o seu crescimento.

De acordo com uma pesquisa realizada por Roy Baumeister e Kathleen Vohs, da Universidade Case Western Reserve, pensamentos e emoções negativas tendem a permanecer no seu cérebro mais do que emoções e pensamentos positivos.

Em outras palavras, é muito mais fácil você lembrar dos momentos em que as coisas fugiram do seu controle, do que lembrar dos momentos em que tudo estava correndo como desejava.

Justamente por isso, é natural que você tenha aversões a alguns tipos de mudanças, ou que você encontre bloqueios no seu pensamento que te afastem do sucesso. Através da repetição de pensamentos negativos na sua cabeça, seu crítico interno busca te proteger, se assegurando de que você não vai fazer nada que possa posteriormente se arrepender.

Contudo, isso também impede você de alavancar seu potencial, inibindo assim o seu Crescimento Contínuo. Portanto, ao compreender melhor o seu crítico interior e ao aprender a domá-lo, você pode treinar seu cérebro para ajudá-lo ao invés de permanecer colocando obstáculos.

Faça Alguma Coisa a Respeito

Para não deixar que o seu crítico interno te iniba, é necessário reconhecer e responder adequadamente a ele. Com isso, eu não estou dizendo que você deve eliminar a sua autocrítica. Ao invés disso, quero dizer que a compreensão do que ele está falando pode te ajudar.

Aqui estão alguns passos práticos que te ajudarão a se tornar mais intencional sobre os seus pensamentos críticos:

1 – Reconhecimento

Você dormiu demais pela terceira vez essa semana, e está pensando que você é um fracasso?

Bom, como primeiro passo, quando um pensamento crítico aparece, reconheça que ele existe e retire alguns minutos para entender o que ele significa. Por que você realmente está se sentindo assim?

Eu posso te falar com 100% de certeza que existe uma intenção positiva por detrás desse pensamento. Seu crítico interno não quer apenas te colocar pra baixo. Ele está buscando de proteger de alguma coisa.

Agora, eu não sei se essa coisa é o seu medo de falhar, ou a sua falta de clareza ou de foco. Pode ser que seja apenas a vergonha ou culpa do que os outros vão pensar se algo sair errado.

Independentemente do caso, seu crítico interno está sendo útil? Ao te proteger, seu crítico interno está realmente te ajudando, ou te atrapalhando?

No caso de você dormir demais, e por isso se ver como um fracasso, a resposta mais provável é que ele esteja te atrapalhando. Isso porque ao internalizar esse pensamento, e permanecer se martirizando, você terá um dia difícil, não dormirá bem novamente, precisará dormir até mais tarde no dia seguinte, e continuará o ciclo.

2 – Intencionalidade

Agora que você já reconheceu que seu pensamento pode não ser tão útil assim, você já pode começar a lidar com ele de maneira construtiva e intencional.

Ao meu ver, as duas melhores formas de fazermos isso são através da meditação, ou do uso de um diário. Escolha o que fizer mais sentido para você.

Meditação

A primeira forma de lidar com nossos pensamentos negativos é através da diferenciação do que é puramente especulativo, e do que está acontecendo aqui, agora, no mundo real. Isso é justamente o que a meditação faz por você.

Para aqueles que não sabem, a meditação é uma prática milenar, que não está necessariamente vinculada a qualquer tipo de religião, e que visa treinar seu foco para permanecer com a atenção no momento presente.

Em outras palavras, a meditação não passa de um exercício mental, onde você busca deixar de lado as ansiedades do passado, e as preocupações do futuro, e focar no momento presente.

O motivo pelo qual você faz isso é para que haja um desligamento das regiões do cérebro vinculadas ao sentimento de ameaça e estresse, e com isso você consiga amplificar a região do cérebro vinculada ao pensamento lógico e racional.

Diário – O Poder da Escrita

Comumente, temos a tendência de relacionar diários a crianças e adolescentes apaixonadas, que apenas conseguem sonhar com seus amados. Entretanto, diários podem possuir diversos outros propósitos, podendo ser utilizados como poderosas ferramentas para o combate de sentimentos indesejados.

De acordo com uma revisão publicada em 2005 pela pesquisadora Karen Baikie, existem diversos benefícios relacionados a “escrita expressiva”, isso é, sobre escrever a respeito de traumas e experiências emocionais. Alguns dos benefícios dessa técnica são:

  1. Redução na pressão sanguínea;
  2. Melhoria do sistema imune;
  3. Melhoria do humor;
  4. Melhoria do seu bem-estar;
  5. Redução de sintomas depressivos;

Isso acontece porque ao expressar seus sentimentos em um diário, você necessariamente precisa estruturar o que está passando pela sua cabeça, o que deixa mais fácil a visualização e combate de padrões negativos de pensamento.

Além disso, ao escrevermos o que estamos pensando, conseguimos refletir melhor sobre o padrão e a qualidade de nossas perguntas, o que permite que alcancemos melhores respostas para o que estamos procurando.

3 – Consistência

O poder em reconhecer e substituir autocríticas desnecessárias está na repetição e na consistência. Você provavelmente passou anos com o hábito de pensar negativamente, então você precisará de tempo, prática e esforço para criar novos hábitos que substituirão os seus pensamentos antigos.

Com isso, é claro que seu objetivo não é despejar o seu crítico interno. Você não quer negar as suas falhas ou deixar de aceitar totalmente as críticas. Na realidade, críticas construtivas podem te ajudar muito a superar desafios, e a progredir rumo ao que deseja.

O seu objetivo é treinar o seu crítico, e ensiná-lo boas maneiras de se referir a você. Você está simplesmente treinando seu cérebro para fazer o melhor uso do seu crítico interno, limitando o seu poder apenas para os pensamentos que serão úteis na sua jornada.

Considerações Finais

O objetivo aqui é evitarmos os sentimentos de derrota que correspondem às críticas desnecessárias que chegam até você. Isso porque esse sentimento te limita demais, e pode te desencorajar a progredir em muitas áreas da sua vida.

Se você está ponderando começar algum projeto, tarefa ou decisão nova por algum tempo, são grandes as chances de que o culpado seja seu crítico interno. Não deixe que ele evite o seu progresso, e comece hoje mesmo alguma das práticas citadas acima.

Treine o seu crítico interno para que ele comece a te motivar, e você verá resultados muito melhores em diversas áreas da sua vida!