10 Comentários


  1. Olá, Fernando!

    Costumo rabiscar bastante meus livros. Aquela ideia de não triscar a caneta não ajuda para quem deseja absorver mesmo o que julga útil na leitura.

    Uma prática que realizo e também pode ser interessante é sublinhar as passagens que achar relevantes e, depois, estabelecer qual ação pode tomar a partir daquilo que foi lido. “Lincando”, preferencialmente, com objetivos já estabelecidos antes da leitura.

    Enfim, existem diversas práticas que podem ser boas e se resumem no ponto que reforçou: aplicar!

    Fico com um dúvida: será que perco muito em ler menos e aplicar mais? Existem tantos livros bons que, às vezes, receio perder boas ideias (ou as melhores) por aplicar tudo indiscriminadamente.

    Se tiver algum sugestão ou dica, aceito 🙂

    Abraços.

    Responder

    1. Boa pergunta Matheus! Eu intercalo bastante entre as técnicas… Alguns livros, faço uma leitura rápida sem anotações para “sentir” e somente depois retorno para anotar… Já outros percebo durante a leitura que são verdadeiras aulas e já começo os rabiscos…

      Acho que o equilíbrio aqui é um bom guia!

      Abraço,

      Responder

      1. Parece equilibrado fazer assim, Fernando!

        Depende muito do livro, né?

        Acho que meu exemplo atual cabe bem aqui… pois estou relendo “Como Fazer Amigos E influenciar Pessoas” (Dale Carnegie) com muita cautela, para absorver o máximo e transformar meus relacionamentos.

        Já havia ouvido o audiobook antes um ano atrás, mas fiz tantas anotações e apliquei tão pouco que quase não valeu. Este livro precisa ser mais apreciado!

        Agora, existem outros livros na minha fila que acredito que uma passada de olho bastará.

        Grande abraço e boas leituras!

        Responder

        1. É bem isso Matheus.

          Cada livro tem sua forma de leitura. Já li um livro da área em 4 dias por exemplo, algo muito mais rápido do que o comum e nesse caso não fiz anotações no livro. Fiz pequenas reflexões depois de cada leitura…

          A gente sente durante a leitura a melhor forma de absorver o conteúdo…

          Abração!

          Responder
  2. Roberto Elizardo

    Olá, Fernando, bom dia. Poderia fazer um pequeno vídeo falando sobre seu entendimento sobre o Livro do Daniel Goleman, FOCO. Talvez, destacar suas anotações sobre este livro.
    Abraços,
    Roberto Elizardo

    Responder
  3. Gustavo Veloso

    Olá Fernando. Tem algum tempo que comecei a ler livros sobre desenvolvimento pessoal, gostar do livro é fácil, sentir-se expirado pelas palavras do autor também é muito fácil, difícil mesmo é internalizar e levar pra vida, e princialmente, pro nosso cotidiano, estou tentando desenvolver o meu próprio método. A sua maneira de trabalhar os livros que você ler me deu novas ideias.

    Abraços.

    Responder

  4. Olá Fernando. Tem algum tempo que comecei a ler livros sobre desenvolvimento pessoal, gostar do livro é fácil, sentir-se expirado pelas palavras do autor também é muito fácil, difícil mesmo é internalizar e levar pra vida, e princialmente, pro nosso cotidiano, estou tentando desenvolver o meu próprio método. A sua maneira de trabalhar os livros que você ler me deu novas ideias.

    Abraços.

    Responder
  5. Caio

    Eu gostaria de saber se por exemplo, eu acabo o livro e vejo um comentario sobre o livro para comparar/aprender os conceitos relevantes. Isso sera que ajuda ou é melhor eu fazer minha anotacao individual(por cada um aprende o importante de maneira diferente).

    Responder
    1. Fernando Rui

      Fala Caio, boa pergunta. Dependendo da complexidade do livro gosto de consultar opiniões e visões de aprendizados sobre o livro. Acho válido. Vai de caso a caso. Mas mesmo assim crio o mapa/resumo sobre o livro. Abração!

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *